date: 07/08/97 - 15/08/97
from: jaranha
to: lfdduarte
subject: etnografando web (2)

luiz:

Fazer descrições de páginas pessoais, tarefa a que tenho me dedicado regularmente. Costumo iniciar meus trabalhos diários examinando e descrevendo 2 ou 3 pps. Tenho aproximadamente uma centena descritas — 60 das 120 cadastradas no meu próprio provedor; outras tantas escolhidas ao léu, pinçadas em navegações várias, por paradigmáticas e comuns, ou, mais frequente, o contrário, por curiosas, não usuais, fugirem ao formato clichê. Na verdade, projetei uma "agenda de coleta" que compreendia busca (e eventual "download" do SITE, confeccionando os tais "espelhos" de WEB usando um software específico) de PPs em ao menos cinco frentes:

As duas primeiras foram as priorizadas inicialmente. O exame de coleções relativamente aleatórias de PPs comuns levou-me a elaborar uma fórmula ou modelo standard de construção da PP. Quanto às três últimas iniciativas de coleta, conduziram-me em outras direções, a que voltarei em próximo mail.

o modelo standard

Aos poucos desenvolvi uma espécie de formulário, com ítens definidos e campos variáveis, que preencho com os elementos das páginas que examino. É porque elas parecem obedecer efetivamente a uma fórmula de construção (penso no método formular dos poemas homéricos, de que nos falava Lord ou Kirk ou Havelock, ou na análise quase-estrutural do conto popular russo de Propp). Analisando o conteúdo das páginas pessoais, pude notar que elas parecem compostas a partir de um repertório limitado de tipos de elementos recorrentes. Compilei um inventário destes elementos q é quase exaustivo: no limite, dada qualquer página pessoal, todos os seus componentes deveriam ser encontrados neste inventário. Alguns poucos desses elementos parecem ser praticamente obrigatórios ou prescritivos (sua ausência descaracteriza a página como pessoal), outros muito privilegiados ou preferenciais; há alguns vários comuns, e outros tantos raros. Pergunto-me se não haverá também a classe dos interditos, os elementos tabus nas PPs.

Na minha lista provisória, enumerei pouco mais de 30 elementos, sendo 2 ou 3 obrigatórios, e 5 quase, que são distribuídos geralmente em 3 seções (que inicialmente chamei de header, body e footer, seguindo uma nomenclatura técnica de diagramação de página — em processadores de texto como tb em html). Esta divisão em seções é mais útil no caso das páginas simples e convencionais, especialmente quando única (i.e., que não remete a nenhuma subpágina, o SITE restringe-se a um único documento), mas torna-se problemática e desnecessariamente rígida com SITEs tecnicamente mais sofisticados, que podem possuir p.ex. frames, página de entrada ou cadeia de páginas sequenciais, subjanela com scripts, etc.

prescritivos

Os obrigatórios formais são:

· O título que abre a página, aparece na barra do topo dos navegadores, e é como é registrada pelos indexadores automáticos dos engenhos de busca. O título (que é um campo formal no código HTML) pode reaparecer no topo da página como uma imagem, e muitas vezes é a própria fórmula de saudação inicial BV (ver abaixo).

· O link para o e-mail pessoal do autor, que costuma encontrar-se no final, ou pode se repetir em vários setores da mesma página, e é a garantia mínima de interatividade do meio.

Estes elementos não são exclusivos de PPs, e são igualmente prescritivos em páginas de presença institucional. Além disso, há sem dúvida exceções para esta "obrigatoriedade", mas sua exigência é tão premente que, nas raras páginas que a desobedecem, somos tomados de surpresa — e esta quebra deliberada da "monotonia" formal das páginas acaba apenas fazendo lembrar, a contrário, da regra que se faz presente ainda que sob o modo de sombra em negativo. (Ao modo estruturalista clássico, quando a regra falha, subentende-se a elipse deliberada do elemento, o traço da sua ausência.)

O principal elemento prescritivo, e que caracteriza propriamente a página como pessoal, encontra-se no corpo da página, e é discutido mais abaixo.

preferenciais

Dentre os preferenciais, um dos elementos mais estereotipados é o da saudação inicial — que pode ser o próprio título da página. A maioria das páginas começa com uma frase clichê do tipo: "Bem-vindo à Minha Homepage" ou apenas "Bem Vindo". As variações são muito estreitas, como "Seja Bem-vindo à Webpage do Fulano" ou no máximo "Bem-vindo ao [ou Welcome to] Fulano's World". Batizei este elemento de "BV".

Eventualmente, há uma segunda saudação (BV2), de despedida, no encerramento da página, como na saída de um restaurante ou loja, algo como: "obrigado por ter vindo", "volte sempre", ou até, "inclua minha página no seu bookmark", com o convite a assinar o "livro de visitas", preencher um formulário de "feed-back", ou simplesmente enviar e-mail (linkado) com comentários.

Outro clichê importante, cuja difusão leva a crer que atende a alguma necessidade não bem resolvida dos autores, é o contador de visitas, tb chamado contador de acessos ou de "hits". Mais da metade das páginas descritas possuem-no. Todo provedor já costuma fornecer o serviço, cabendo ao autor apenas escolher o "visual" do seu contador dentre uma amostragem de modelos standard. "Você é o ##### visitante deste site desde [data do início da contagem]" é uma das frases clichê mais frequentemente usadas -- onde ##### é uma imagem fornecida pelo servidor no momento da visita, desenhando o número em caligrafia estilizada. Em muitas páginas, o contador é o único elemento dinâmico, que reage ao visitante acusando sua chegada, e neste sentido constitui uma espécie de grau zero da interatividade, o bit mínimo de intervenção do visitante no SITE, o traço do seu rastro em tudo mais invisível.

corpo

Os principais elementos de uma pp, aonde ela supostamente revela afinal "a que veio", encontram-se no corpo da página (a seção que chamei acima de "body"). São basicamente 3: pessoal, hobbies/interesses, hotlinks/bookmarks. Nas páginas mais standard, encontramos chamadas para cada uma dessas seções do tipo "Quem sou?", "Gosto de ...", "Onde costumo ir". Hipótese: toda página deve possuir ao menos um destes três elementos, sob pena de se descaracterizar. (Se verdadeira, estabelece mais um elemento obrigatório, ainda que permitindo escolha numa classe de três possibilidades)

  1. Apresentação pessoal, ancorada em dados biográficos, seguindo em geral a fórmula "nasci/ moro/ formei-me/ trabalho". É comum haver uma seção inteira (ou uma sub-página) apenas para apresentação do currículo profissional. Pode haver referência à família (cônjuge, filhos, mesmo animais de estimação), eventualmente remetendo a subpáginas específicas ou incluindo fotos. Também pode mencionar os principais amigos, incluindo links para as suas respectivas páginas pessoais quando existem.
  2. Uma seção dedicada aos temas de interesse, que pode apenas remeter a páginas externas (confundido-se com a seção 3, de hotlinks) ou ao contrário, passar a subpáginas desenvolvidas pelo próprio autor. Há PPs em que esta seção está tão hipertrofiada que se torna praticamente a única seção, descaracterizando parcialmente o formato PP. São as páginas de fãs, os sites "não-oficiais" de algum ídolo, clube, esporte, hobby, e mais estilizadamente, os "e-zines", fanzines eletrônicos que podem reunir tribos estáveis.
  3. Finalmente, a seção que sempre mais me intrigou: os hotlinks, a lista de bookmarks pessoais, "lugares a que mais frequentemente vou". Esta seção possui uma singularidade: ela é a única que não necessariamente se destina a uma audiência. Muitos colocam on-line a sua coleção de bookmarks para maior comodidade de navegação, para estabelecer uma âncora própria dentro do espaço da WEB, enfim, como ferramenta cognitiva de auxílio à navegação Os próprios browsers incluem um recurso que incentiva o uso de uma página básica de entrada na WEB, o hábito de usar sempre uma mesma página chave como ponto de partida e referência. (E.g. configurando o NETSCAPE para abrir dentro da sua própria página pessoal, à qual tb retorna sempre que se aperta o botão "home" da sua barra de ferramentas). Foi a partir deste uso da pp que gustavo viberti alega ter iniciado a compilação de links que gestou o catálogo cadê?

elementos raros

Finalmente, "elementos raros". Alguns são raros por serem tecnicamente mais complexos, exigindo maior perícia do autor, lançando mão de recursos "avançados" — como frames, image-maps, webcameras, etc. Mas podem ser apenas inovações, engenhosidades passíveis de "cut-and-paste", e que em questão de meses se disseminam como um vírus, e passam a categoria dos comuns, clichês presentes em metade das páginas públicas. Ainda alguns são exato o contrário, "sobrevivências", clichês que foram moda, se desgastaram e cada vez mais são evitados.

tutoriais

Após trabalhar quase mês na construção do modelo, dei-me conta de que havia um grande furo. É como se eu estivesse levando demasiadamente a sério um mero artefato da mídia. Explico: percebi que o modelo formular poderia ser em grande parte atribuído aos chamados "tutoriais" — arquivos ou homepages confeccionados por usuários experientes e que visam introduzir o novato ao HTML, ensinar o iniciante as técnicas da confecção de uma página WEB. Há inúmeros destes tutoriais espalhados pela rede, vários escritos por iniciativa pessoal e mantidos em PPs, inclusive mais de dúzia brasileiros. Eventualmente, há efetivamente modelos (templates para word, ou formulário html), com estrutura padrão e espaços a serem preenchidos com as informações particulares do usuário, nos SITEs de hospedagem ou nos programas de auxílio a edição em HTML, para facilitarem a entrada de novatos ao esoterismo dos costumes e códigos da WEB.

O pior é que eu mesmo, em tempos idos, também frequentei tais tutoriais, onde dei meus primeiros passos, e cheguei até a redigir a minha própria versão do "passo a passo no HTML".

Por outro lado, poderia interpretar esta convergência a meu favor. Nos tutoriais eu encontraria a teoria e a descrição nativa da fórmula das PPs. Lá se ensina o usuário a incluir o "bem-vindo", sempre "linkar" seu E-MAIL, pôr um contador e uns LINKS de interesse. Pois todo tutorial é redigido por algum autor de PP veterano que voluntariamente resolve dar a sua contribuição, apresentar o caminho das pedras como um convite a que mais usuários tomem a iniciativa de construir também as suas PPs. Os tutoriais são uma espécie de comentário ao estilo e compromissos da confecção de uma página pessoal, uma meta-PP que consolida em documento didático a experiência e as representações sobre a arte de confeccionar páginas acumulada por alguns dos seus autores.

Continuo
j